Economia solidária e redes sociais: antigos fenômenos, novas feições

Celia Lucia do Rosário Braz, Onésimo Oliveira Cardoso

Resumo


O conjunto de atividades econômicas organizadas em bases cooperativas, sob princípios democráticos (“uma cabeça, um voto”) e em regime de autogestão vem se mostrando um mecanismo gerador de trabalho e de renda para trabalhadores excluídos do mercado formal, viabilizando a melhoria de suas condições de vida. Entretanto, essas novas relações econômicas e sociais ainda estão sendo construídas. Com o objetivo de refletir sobre a importância desses empreendimentos no atual contexto socioeconômico, o presente ensaio teórico identifica a ampla gama de abordagens relacionadas à economia solidária, de forma a auxiliar sua compreensão, além de discutir sua estreita relação com as redes sociais. Após a introdução, a análise exploratória foi segmentada em três partes, estando situadas na primeira a origem e a gênese dos empreendimentos solidários, inclusive no Brasil. Como segundo tópico, serão apresentadas as atuais vertentes de pensamento, buscando clarificar as variadas terminologias que envolvem o tema. Em seguida, será considerada a evolução histórica do conceito de redes, suas definições relevantes e como contribuem para com a economia solidária.


Palavras-chave


Economia solidária, Rede Social

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v9n17p59-77

Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.