Qualidades da Transição Interprofissão: um Estudo com Professores Universitários

Elza Fátima Rosa Veloso, Joel Souza Dutra, Rodrigo Cunha da Silva, Leonardo Nelmi Trevisan

Resumo


A transição interprofissão leva pessoas a assumirem funções (ou papeis) diferentes dos assumidos na profissão anterior. Este artigo tem como objetivo apresentar a associação dos atributos às qualidades (dificuldade e a valência) desse tipo de transição. A pesquisa descritiva, realizada em 2015, envolveu amostra não probabilística de 245 professores de ensino superior, que consideram ter mudado de profissão quando optaram pela carreira acadêmica. O questionário foi respondido em uma escala Likert e, para análise dos resultados, foram realizados testes T para comparações de médias; análises de variância (ANOVA), bem como análise de correlações para análise das hipóteses propostas. Entre os resultados, destaca-se a suposição de que, apesar da transição de profissões diversas para a profissão de docente de nível superior não parecer ser fácil, de forma geral, os respondentes a enxergam como altamente positiva.  Para esse grupo, foi possível associar transições fáceis e positivas a transições previsíveis, de longa duração e reversíveis. Adicionalmente, transições apenas positivas podem ser associadas a transições de baixa magnitude, socialmente desejáveis e voluntárias.


Palavras-chave


carreira, transição de carreira; transição interprofissão; carreira acadêmica

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v11n21p431-452


Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.