Do Saber Filosófico à Ciência Crítica: Buscando Evidências do Pós-Estruturalismo nos Estudos Críticos em Gestão no Brasil entre os Anos de 2010 e 2015

Paula Gonçalves da Silva, Sérgio C. Benício de Mello, Anderson Trindade

Resumo


Movimentos intelectuais recentes têm questionado os pressupostos da ciência moderna, iniciando debates em torno da desestabilização de certas verdades e procedimentos que já não respondem mais aos anseios da sociedade e da própria comunidade científica. Diante de uma crise paradigmática, partimos da premissa de que várias possibilidades epistemológicas são possíveis a partir de críticas à modernidade. Nas ciências administrativas, algumas correntes teóricas, como o Pós-estruturalismo, estimulam reflexões críticas à respeito das práticas da administração moderna, a exemplo dos Estudos Críticos em Gestão (ECG). Entender como o conhecimento filosófico pós-estruturalista vem sendo apropriado nos estudos organizacionais é o principal objetivo deste artigo. Nesse sentido, a partir de uma pesquisa bibliográfica nos principais periódicos em administração do Brasil, analisamos 26artigos relacionados ao Pós-estruturalismo e publicados entre os anos de 2010 e 2015. Concluímos que a presença do pensamento crítico pós-estruturalista nos estudos organizacionais ainda não está consolidada, o que para nós representa um potencial de expansão temática e manutenção do potencial crítico na área

Palavras-chave


Filosofia; Ciência; Estudos Críticos em Gestão; Pós-estruturalismo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v12n24p327-343


Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.