Plano de benefícios como fator motivacional: estudo em empresa familiar do setor metalúrgico

Tayse Gomes, Valdirene Gasparetto, Darci Scnorrenberger, Rogério João Lunkes

Resumo


O estudo objetiva averiguar se o plano de benefícios individuais possui potencial motivacional junto aos colaboradores de uma empresa do ramo metalúrgico de controle do tipo familiar. Por meio da análise de conteúdo, o trabalho desenvolveu-se em duas etapas; a primeira partiu de um levantamento junto ao administrador a fim de verificar se a empresa oferecia um plano de incentivos e a segunda, consistiu na aplicação de questionário aos níveis estratégico, tático e operacional, com a finalidade de detectar a relação entre a implantação de um plano de benefícios e a motivação pessoal. A amostra foi composta por 23 colaboradores, representando 88% da população. A primeira constatação do estudo foi de que a organização ainda não oferece benefícios de qualquer natureza. Percebeu-se também que os resultados indicam uma preferência por benefícios ligados a saúde, sendo o plano de saúde o preferido por 65% da amostra. Por outro lado, ninguém considerou importante a ginástica laboral e o auxílio funeral. Apesar desta preferência, todos gostariam de ter a liberdade de escolher seus benefícios. Quando a amostra é estratificada por estado civil, constata-se que os casados (57%) entendem que a implementação dos benefícios afetaria positivamente sua motivação, ao passo que 44% dos solteiros. 


Palavras-chave


Contabilidade; Remuneração; Benefícios; Motivação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v14n28p351-375


Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.