Avaliação do Estresse Ocupacional no cotidiano de Policiais Militares do Rio Grande do Sul

Damiana Machado de Almeida, Luis Felipe Dias Lopes, Vania Medianeira Flores Costa, Rita de Cássia Trindade dos Santos, Jonathan Saidelles Corrêa

Resumo


Estresse se configura em uma ameaça real, percebida ou socialmente construída. Segundo Marras e Veloso (2012), é um processo ou o seu resultado, compreendendo desde as reações biológicas e psicológicas até as ações decorrentes para examinar o estressor. Desse modo, esse estudo foi desenvolvido visando identificar o nível de estresse ocupacional dos policiais militares do Rio Grande do Sul. Realizou-se uma pesquisa descritiva, do tipo survey, com abordagem quantitativa. Os participantes do estudo totalizaram 519 policiais militares pertencentes a quartéis de cidades localizadas no estado do Rio Grande do Sul. No geral, ocorreu predomínio do nível médio de estresse, com os seguintes estressores com as maiores médias: deficiência nos treinamentos para capacitação profissional (3,51); discriminação/favoritismo no ambiente de trabalho (3,40); poucas perspectivas de crescimento na carreira (3,37); pouca valorização por parte dos superiores (3,04); e por fim, deficiência na divulgação de informações sobre as decisões organizacionais (3,00).


Palavras-chave


Estresse Ocupacional; Policiais Militares; Trabalho

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v13n26p215-238

Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.