A construção social da ordem e da subversão nos discursos da (e sobre a) população em situação de rua de Belo Horizonte

Bruno Eduardo Freitas Honorato, Luiz Alex Silva Saraiva, Everton Rodrigues da Silva

Resumo


Tomando como pano de fundo a ideia da formação de um mercado mundial de cidades e sua implicação na produção de um espaço urbano contemporâneo redutor da diversidade, o presente artigo procura revelar a construção social das noções de ordem e subversão nos discursos da população em situação de rua de Belo Horizonte (MG) e dos atores implicados (sociedade domiciliada, entidades de auxílio, representantes da municipalidade, polícia e comerciantes), a partir do quadro teórico-metodológico da análise do discurso francesa. Realizou-se uma observação participante, enfatizando-se as práticas subversivas das pessoas em situação de rua como uma forma de problematizar a associação entre ordem e normalidade e a relação da sociedade com o que ela considera um descartável urbano. Entende-se, portanto, a subversão como uma práxis política necessária para impulsionar a transformação social na direção de uma convivência humana mais afeita à diversidade cultural.

Palavras-chave


: população em situação de rua; ordem e subversão; cidade segregada; análise de discurso

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v13n26p339-383

Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.