Motivação à luz da teoria da autodeterminação: uma análise comparativa do processo motivacional de concluintes dos mestrados acadêmico e profissional em administração

Miler Franco D'anjour, Bruno Campelo Medeiros, Márcia Fernanda Silva Macedo Galvão, Anne Emília Costa Carvalho

Resumo


O presente artigo tem como objetivo geral compreender de forma comparativa o processo motivacional dos alunos para conclusão dos cursos de mestrado acadêmico e profissional em Administração à luz da teoria da autodeterminação. Para tanto, foi adotado um enfoque analítico qualitativo, tendo como plano básico de pesquisa o estudo comparativo e o interacionismo simbólico como postura teórica. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista focalizada com uso da foto-elicitação. O método de interpretação foi a análise de conteúdo, realizada com auxílio do software NVivo, que possibilitou a análise comparativa e análises intra-casos e inter-casos, por meio  de análise de agrupamento, modelos hierárquicos e tabelas de frequência. Os resultados demostraram que os mestrados profissional e acadêmico exibem a mesma sequência motivacional, com prevalência da motivação extrínseca, depois da motivação intrínseca e por fim da desmotivação. Entretanto, existem diferenças entre os níveis de motivação extrínseca. Os mestres oriundos dos mestrados acadêmico e profissional apresentaram um processo motivacional com alto grau de autonomia, no entanto, ainda considerando estímulos internos ou externos. 


Palavras-chave


Motivação; Teoria da Autodeterminação; Mestrado Acadêmico; Mestrado Profissional; Análise de Conteúdo.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BZUNECK, José Aloyseo; GUIMARÃES, Sueli ÉdiRufini. Estilos de professores na promoção da motivação intrínseca: reformulação e validação de instrumento. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 23, n. 4, p. 415-422, out/dez. 2007.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Plano Nacional de pós-graduação – PNPG 2011-2020 / Coordenação de Pessoal de Nível Superior. Brasília, DF: CAPES, 2010.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Documento de área 2013:administração, ciências contábeis e turismo. Disponível em: . Acesso em: 6 dez. 2014.

DECI, Edward L.; RYAN, Richard M. Motivation and self-determination in human behavior.New York: Plenum Press, 1985.

DECI, Edward L.; VANSTEENKISTE, Maarten.Self-determination theory and basic need satisfaction: understanding human development in positive psychology. Ricerche di Psicologia, v. 27, n. 1, 2004.

DE NAEGHEL, J. et al. The relation between elementary students' recreational and academic reading motivation, reading frequency, engagement, and comprehension: A self-determination theory perspective.Journal of Educational Psychology, v. 104, n. 4, p. 1006, 2012.

FERGUSON, R. et al. Self‐determination theory, social media and charitable causes: An in‐depth analysis of autonomous motivation.European Journal of Social Psychology, v. 45, n. 3, p. 298-307, 2015.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. .

GAGNÉ, M.; DECI, E. L. Self-determination theory and work motivation. Journal of Organizational Behavior, v. 26, p. 331-362, 2005.

GIBBS, Graham. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Bookman, 2009.

GUIMARÃES, Sueli ÉdiRufini; BORUCHOVITCH, Evely; o estilo motivacional do professor e a motivação intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 17, n. 2, p. 150, 2004.

GUIMARÃES, Sueli ÉdiRufini; BZUNECK, José Aloyseo. Propriedades psicométricas de um instrumento para a avaliação da motivação de universitários. Ciência e Cognição, v. 13, n. 1, p. 101-113, 2008.

JANG, H.; KIM, E. J.; REEVE, J.. Longitudinal test of self-determination theory's motivation mediation model in a naturally occurring classroom context. Journal of Educational Psychology, v. 104, n. 4, p. 1175, 2012.

LEAL, Edvalda Araújo; MIRANDA, Gilberto José; CARMO, Carlos Roberto Souza. Teoria da Autodeterminação: uma análise da motivação dos estudantes do curso de Ciências Contábeis. Revista de Contabilidade e Finanças, v. 24, n. 62, p. 162-173, mai./ago. 2013.

LENS, Willy; MATOS, Lennia; VANSTEENKISTE, Maarten.Professores como fontes de motivação dos alunos: o quê e o porquê da aprendizagem do aluno. Educação, v. 31, n. 1, p, 17-20, jan./abr. 2008.

LOBOS, Júlio. Teorias sobre a motivação no trabalho. Revista Administração de Empresa - RAE, v. 15, n. 2, p. 17-25, 1975.

KELLY, J. R.; SHOGREN, K. A. The impact of teaching self-determination skills on the on-task and off-task behaviors of students with emotional and behavioral disorders. Journal of Emotional and Behavioral Disorders, v. 22, n. 1, p. 27-40, 2014.

MACHADO, Amélia Carolina Terra Alves et. al. Estilos motivacionais de professores: preferência por controle ou por autonomia. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 32, n. 1, p. 188, 2012.

MADJAR, N.; COHEN-MALAYEV, M. Youth movements as educational settings promoting personal development: Comparing motivation and identity formation in formal and non-formal education contexts. International Journal of Educational Research, v. 62, p. 162-174, 2013.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MAYER, John; FABER, Michael; XU; Xiaoyan. Seventy-five years of motivation measures (1930-2005): a descriptive analysis. Motivation and Emotion, v. 31, n. 2, p. 83-103, 2007.

MENDONÇA, J. R. C. de; VIANA, M. F. T. Entrevista com Foto-Elicitação (EFE): o uso de métodos visuais para o estudo do ambiente físico nas organizações. In: I Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. EnEPQ 2007, Recife, 21 a 23 de novembro de 2007.

MILES, M. B.; HUBERMAN, A. M. Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 1994.

MITCHELL JR, J. V. Interrelationships and Predictive Efficacy for Indices of Intrinsic, Extrinsic, and Self-Assessed Motivation for Learning. Journal of Research and Development in Education, v. 25, n. 3, p. 149-55, 1992.

MORAN, C. M. et al. A profile approach to self-determination theory motivations at work. Journal of Vocational Behavior, v. 81, n. 3, p. 354-363, 2012.

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (PPGA). Regimento interno do programa de pós-graduação em administração. Aprovado em reuniões do Colegiado do PPGA nos dias 01, 02, 06 e 12 de fevereiro de 2007. Alterado em reuniões do Colegiado do PPGA no dia 22 de dezembro de 2008. Alterado em reunião do Colegiado do PPGA no dia 24 de novembro de 2009.

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (PPGA). Regimento interno do curso de mestrado profissional em gestão pública. Texto aprovado pelo Colegiado do PPGA em reunião plenária realizada em 20 de abril de 2009.

RIBEIRO, Giann Mendes. Autodeterminação para aprender nas aulas de violão à distância online: uma perspectiva contemporânea da motivação. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

RUFINI, Sueli Edi; BZUNECK, José Aloyseo; OLIVEIRA, Katya Luciane de. Estudo de validação de uma medida de avaliação da motivação para alunos do ensino fundamental. Revista Psico-USF, v. 16, n. 1, p. 1-9, Jan./Abr. 2011.

SCHUNK, D. H. Self-efficacy and academic motivation. Educational psychologist, v. 26, n. 3-4, p. 207-231, 1991.

SHEN, B.. Outside‐school physical activity participation and motivation in physical education. British Journal of Educational Psychology, v. 84, n. 1, p. 40-57, 2014.

SILVA, L. ET AL. Cuidar de famílias de idosos em final de vida na Estratégia Saúde da Família. Rev. Latino-Am. enfermagem, 21(1), jan,-fev. 2013.

SIQUEIRA, Luciana Gurgel Guida; WECHSLER, Solange M. Motivação para a aprendizagem escolar: possibilidade de medida. Avaliação Psicológica, v. 5, n. 1, p. 21-31, 2006.

SZILAGYI Jr., Andrew; WALLACE Jr., Marc. Organizational behavior and perfomance. 5. ed. USA: Harper Collins Publishers, 1990.

VELHO, Léa. Evasão na pós brasileira: uma crise em formação? Jornal da Unicamp, Campinas-SP, 27 jun. a 1º jul. 2005.

VERGARA, Sylvia C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 13 ed. São Paulo: Editora Atlas, 2011.

VIEIRA, M. M. F. Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In: VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M (Org.). Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

WECHSLER, S. M. Estilos de Pensar e Criar: impacto nas áreas educacional e profissional. 2006.

WELTERS, R.; MITCHELL, W.; MUYSKEN, J. Self determination theory and employed job search. Journal of Economic Psychology, v. 44, p. 34-44, 2014.




DOI: https://doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v15n30p83-120

Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.