Modos de Uso de Pesquisa-Ação em Dissertações e Teses em Administração no Brasil

Rogério Zanon da Silveira, Marcia Prezotti Palassi, Ana Paula Paes de Paula

Resumo


Este artigo analisa os tipos de pesquisa-ação predominantes em dissertações de mestrado e teses de doutorado em Administração no Brasil. O referencial teórico provém de Thiollent (2011) que defende a pesquisa-ação. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica realizada em 2018, em 42 dissertações e teses defendidas no período de 2011 a 2016 nos programas de pós-graduação em administração brasileiros. Os dados foram submetidos à Análise de Conteúdo utilizando-se as categorias definidas por Tripp (2005): técnica; prática; política; socialmente crítica; e emancipatória. Os resultados revelam um forte predomínio da visão técnica e prática de pesquisa-ação e pouca utilização nos sentidos político e crítico-social, indo ao encontro da visão hegemônica funcionalista no campo da Administração. As contribuições do artigo são esclarecimentos sobre o uso da pesquisa-ação, bem como orientações para a exploração de novas tipologias.


Palavras-chave


Pesquisa-ação. Metodologias participativas. Administração.

Texto completo:

PDF

Referências


AFFELDT, F. S. Desenvolvimento e aplicação de um modelo construtivista para o ensino de Administração. 2011. 264 f. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

ARGYRIS, C.; SCHÖN, D. Theory in practice. São Francisco: Jossey Bass, 1974.

ASSAD, F. A. Negócios sociais no Brasil: oportunidades e desafios para o setor habitacional. 2012. 143 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Administração) - Universidade de São Paulo, São Paulo.

BALDISSERA, A. Pesquisa-ação: uma metodologia do “conhecer” e do “agir” coletivo. Sociedade em Debate, v. 7, n. 2, p. 5-25, ago. 2001.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Liber Livro, 2007.

BASSO, B. L. Educação e construção de conhecimento: uma experiência no curso de graduação em administração. 2015. 169 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Rio grande do Sul, Porto Alegre.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

BURNS, A.; WESTMATCOTT, A. Teacher to Researcher: Reflections on a New Action Research Program for University EFL Teachers. Issues in Teachers´ Professional Development, v. l, p. 15-23, 2018.

CHIASSON, M.; GERMONPREZ, M.; MATHIASSEN, L. Pluralist action research: a review of the information systems literature. Information Systems Journal, v. 19, p. 31–54, 2009.

DURAK, G.; YÜNKÜL, E.; CANKAYA, S.; AKPINAR, S.; ERTEN, E.; INAM, N.; TAYLAN, U.; & URFA, M. Content Analysis of Master Theses and Dissertations Based on Action Research. Journal of Education and Training Studies, v.4, n.12, p. 71-80, 2016.

FLESSNER, R.; STUCKEY, S. Politics and action research: An examination of one school’s mandated action research program. Action Research, v. 12, n. 1, p. 36-51, 2014.

FULMER, G. W.; CHU, H.; MARTIN, S. N. The Potential of Teacher-Led Research: Teachers’ Action Research Collaborations in Science Education in Singapore. Asia-Pacific Science Education, 2018, v. 4, n. 7, p. 2-6, 2018.

GONZÁLEZ-REY, F. L. G. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Thompson Learning, 2002.

GREENDWOOD, D. J. Action research: unfulfilled promises and unmet challenges. Concepts and Transformation, v. 7, n. 2, p. 117-139, 2002.

GUERRA, P. V. Formulação de estratégia em novos empreendimentos de base tecnológica de origem acadêmica. 2012. 143 f. Dissertação. (Mestrado Acadêmico em Administração) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

HAGUETTE, T. M. F. Metodologias qualitativas na sociologia. (5 ed). Petrópolis: Vozes, 1997.

HUXHAM, C. Action research as a methodology for theory development. Policy & Politics, v. 31, n. 2, p. 239-248, 2003.

KHAN, K. S.; BAWANI, S. A. A.; AZIZ, A. Bridging the gap of knowledge and action: A case for participatory action research. Action Research, v, 11, n. 2, p.157-175, 2013.

KEMMIS, S.; MCTAGGART, R. Participatory Action Research: communicative action and the public sphere. In: DENZIN, Norman K; LINCOLN, Yvonna S. (Eds.). The Sage handbook of qualitative research. 3. ed, p. 559-603, 2005

LEWIN, K. Teoria de campo em ciência social. São Paulo: Pioneira, 1965.

MACKE, J. A pesquisa-acão como estratégia de pesquisa participativa. In: GODOI, C. K. et al (Eds.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006, p. 206-239.

MARTÍNEZ, A. M.; REY, F. L. G. Subjetividade: teoria, epistemologia e método. Campinas: Alínea, 2017.

MELO, A. S. E.; MAIA FILHO, O. N.; CHAVES, H. V. Lewin e a pesquisa-ação: gênese, aplicação e finalidade. Fractal, Revista de Psicologia, v. 28, p. 1, p. 153-159, 2016.

NOVAES, M. B.; GIL, C. A pesquisa-ação participante como estratégia metodológica para o estudo do empreendedorismo social em administração de empresas. Revista de. Adminstração Mackenzie, v. 10, n. 1, p. 134-160, 2009.

PAES DE PAULA, A. P. Repensando os estudos organizacionais: por uma nova teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

PAREDES-CHI, A. A.; CASTILLO-BURGUETE, M.T. Caminante no hay [un solo] camino, se hace camino al andan: Investigación Acción Participativa y sus repercusiones en la práctica. Revista Colombiana de Sociologia, v. 41, n. 1, p. 31-50, 2018a.

PAREDES-CHI, A. A.; CASTILLO-BURGUETE, M.T. Is Participatory Action Research an innovative pedagogical alternative for training teachers as researchers? The training plan and evaluation for normal schools. Evaluation and Program Planning, v. 68, p. 176-184, 2018b.

PINTO, J. B. G. Pesquisa-Ação: detalhamento de sua sequência metodológica. Recife, 1989, Mimeo.

REMONATO, R. L. C. A distância tecnológica na adoção de novas tecnologias no sistema de ensino de uma instituição de ensino superior em um país em vias de desenvolvimento industrial. 2011. 199 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Administração) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

SOUZA, M. M. P. de. Reciclando a crítica nos Estudos Organizacionais: As tecnologias de gestão colaborativa no contexto da Astriflores. 2016. 326 f. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1992.

TEIXEIRA, P. M. M.; MEGID NETO, J. Sobre a pesquisa-ação nas dissertações e teses em ensino de biologia (1972-2011). Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 1, p. 283-308, 2018.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1998.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 18a. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

TRIPP, D. Action research: a methodological introduction. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

VAN DE VEN, A. H. Engaged scholarship: a guide for organizational and social research. Oxford: Oxford University Press, 2007.

YIGIT, C.; BAGCECI, B. Teachers' opinions regarding the usage of action research in professional development. Journal of Education and Training Studies, v. 5, n. 2, p. 243-252, 2017.




DOI: https://doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v15n30p317-349

Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.