Valores Culturais, Reputação e Governança das Empresas Preferidas pelas Mulheres Brasileiras

Danival Sousa Cavalcante, Igor Rodrigo Menezes Teodósio, Márcia Martins Mendes De Luca

Resumo


Considerando que cada empresa traz consigo, explícita ou implicitamente, seus valores culturais, que podem atrair as mulheres para seu ambiente de trabalho, este estudo tem o objetivo de analisar os valores culturais organizacionais adotados pelas empresas preferidas pelas mulheres brasileiras e suas relações com a reputação e a governança corporativa. Adicionalmente, verifica-se possíveis associações entre os valores culturais e as características das empresas, comparando-se os valores culturais entre as empresas com reputação corporativa e as demais, e entre aquelas que adotam princípios de governança corporativa e as demais. O trabalho diferencia-se por analisar, numa mesma investigação, os construtos valores culturais, reputação e governança corporativas. Além da análise qualitativa das informações, o estudo utiliza técnicas de estatística descritiva e inferencial para a análise quantitativa dos dados. Dentre as empresas preferidas pelas mulheres brasileiras, a dimensão cultural respeito, com seu valor cultural desenvolvimento, foi a mais presente nas empresas investigadas. Verificou-se que as empresas adeptas de princípios de governança corporativa registram uma quantidade de valores culturais superior à das demais, assim como foi possível identificar associação entre as variáveis valores culturais e governança corporativa.

Palavras-chave


Valores culturais; Governança Corporativa; Reputação Corporativa; Mulheres no ambiente corporativo

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, R.B.; FERREIRA, D. Women in the boardroom and their impact on governance and performance. Journal of financial Economics, v. 94, n. 2, p. 291-309, 2009.

ANDRADE, A.; ROSSETTI, J. P. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BANDEIRA, M. T. S. S.; GÓIS, A. D.; DE LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C. Reputação corporativa negativa e o desempenho empresarial. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 24, n. 9, p. 72-83, 2015.

CAIXETA, C. G. F; LOPES, H. E. G.; BERNARDES, P.; CARDOSO, M. B. R.; CARVALHO NETO, A. M. Reputação corporativa e desempenho econômico-financeiro: um estudo em cinco grandes grupos empresariais brasileiros. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 1, n. 9, p. 86-109, 2011.

CALEGARI, I. P.; GONÇALVES, R. S.; SERRANO, A. L. M.; RODRIGUES, J. M. Efeitos da reputação corporativa no custo de capital próprio em empresas brasileiras listadas. Revista Universo Contábil, v. 12, n. 1, p. 178-98, 2016.

CAMERON, K. S.; QUINN, R. E. Diagnosing and changing organizational culture. San Francisco: Jossey-Bass, 2006.

CASAVECHIA, C.; MEDEIROS, C. R. de O.; VALADÃO JÚNIOR, V. M. Manifestações culturais na perspectiva da integração: construindo um holograma. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, v. 5, n. 12, p. 216-35, 2011.

CAVAZOTTE, F. S. C. N.; OLIVEIRA, L. B.; MIRANDA, L. C. Desigualdade de gênero no trabalho: reflexos nas atitudes das mulheres e em sua intenção de deixar a empresa. Revista de Administração, v. 45, n. 1, p. 70-83, 2010.

CERIBELI, H. B.; CERIBELI, M. C. B.; FERREIRA, F. J. R. Análise da qualidade de vida no trabalho sob a perspectiva das diferenças entre gêneros. Reuna, v. 21, n. 3, p. 5-24, 2016.

CHUN, R. Corporate reputation: meaning and measurement. International Journal of Management Reviews, v. 7, n. 2, p. 91-109, 2005.

DEMO, G.; FERNANDES, T.; FOGAÇA, N. A Influência dos Valores Organizacionais na Percepção de Políticas e Práticas de Gestão de Pessoas. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v. 23, n. 1, p. 89-117, 2017.

DUTRA, R. S.; PARENTE, P. H. N. A Governança Corporativa e Desempenho Empresarial: uma análise sob o enfoque da reputação corporativa das empresas brasileiras. RAGC – Revista de Auditoria Governança e Contabilidade, v. 6, n. 26, p. 47-63, 2018.

FÁVERO, L. P. Manual de análise de dados. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FELDMAN, P. M.; BAHAMONDE, R. A.; BELLIDO, I. V. A new approach for measuring corporate reputation. Revista de Administração de Empresas, v. 54, n. 1, p. 53-66, 2014.

FERREIRA, R. M.; LIMA, S. L. L.; GOMES, A. R. V.; MELLO, G. R. Governança Corporativa: Um Estudo Bibliométrico da Produção Científica entre 2010 a 2016. Revista Organizações em Contexto, v. 15, n. 29, p. 323-42, 2019.

FLAMHOLTZ, E. G.; RANDLE, Y. Corporate culture, business models, competitive advantage, strategic assets and the bottom line: theoretical and measurement issues. Journal of Human Resource Costing & Accounting, v. 16, n. 2, p. 76-94, 2012.

FLATT, S.; KOWALCZYK, S. Creating competitive advantage through intangible assets: the direct and indirect effects of corporate culture and reputation. Advances in Competitiveness Research, v. 16, n. 1, p. 13-30, 2008.

FLEURY, M. T. Estórias, mitos, heróis – cultura organizacional e relações de trabalho. Revista de Administração de Empresas, v. 27, n. 4, p.7-18, 1987.

FLEURY, M. T.; FISCHER, R. M. Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas,1989.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: grandes temas em debate. Revista de Administração de Empresas, v. 31, n. 3, p. 73-82, 1991.

GORGA, Érica. A cultura brasileira como fator determinante na governança corporativa e no desenvolvimento do mercado de capitais. Revista de Administração, v. 39, n. 4, p. 309-26, 2004.

GREYSER, S. A. Advancing and enhancing corporate reputation. Corporate Communications: An International Journal, v. 4, n. 4, p. 177-81, 1999.

GUISO, L.; SAPIENZA, P.; ZINGALES, L. The value of corporate culture. Journal of Financial Economics, v. 117, p. 60-75, 2015.

HARTNELL, C.A.; OU, A. Y.; KINICKI, A. Organizational culture and organizational effectiveness: A meta-analytic investigation of the competing values framework’s theoretical suppositions. Journal of Applied Psychology, v. 96, n. 4, p. 677-94, 2011.

HOOBLER, J. M.; MASTERSON, C. R.; NKOMO, S. M.; MICHEL, E. J. The Business Case for Women Leaders: Meta-Analysis, Research Critique, and Path Forward. Journal of Management, v. 44, n. 6, p. 2473-99, 2016.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. 5. ed. São Paulo: IBGC, 2015.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. C. Theory of the firm: managerial behaviour, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-60, 1976.

JURKUS, A. F.; PARK, J. C.; WOODARD, L. S. Women in top management and agency costs. Journal of Business Research, v. 64, n. 2, p. 180-6, 2011.

LEE, J.; ROH, J. J. Revisiting corporate reputation and firm performance link. Benchmarking: An International Journal, v. 19, n. 4/5, p. 649-64, 2012.

LIRA, S. A.; CHAVES NETO, A. Coeficientes de correlação para variáveis ordinais e dicotômicas derivados do coeficiente linear de Pearson. Recie, v. 15, n. 1/2, p. 45-53, 2006.

LIU, Y.; WEI, Z.; XIE, F. Do women directors improve firm performance in China? Journal of Corporate Finance, v. 28, p. 169-84, 2014.

LOPES, E. C.; VALENTIM, M. P.; FADEL, B. Efeitos da cultura organizacional no desenvolvimento dos modelos de governança corporativa. Revista Famecos, v. 21, n. 1, p. 268-86, 2014.

LOVE MONDAYS. As 20 empresas mais bem avaliadas pelas mulheres, 2017. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2017.

LOVE MONDAYS. Sobre o Love Mondays, 2019. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2019.

MACEDO, M. A. S.; CORRAR, L. J. A. Análise comparativa do desempenho contábil-financeiro de empresas com boas práticas de governança corporativa no Brasil. Revista Contabilidade e Controladoria, v. 4, n. 1, p. 42-61, 2012.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MENEZES, R. S. S.; OLIVEIRA, J. L.; DINIZ, A. P. R. Simbolismos de gênero e gestão: uma análise das feminilidades de executivas. Revista de Gestão e Secretariado, v. 4, n. 1, p. 1-22, 2013.

MILLS, A. J. Organization, gender and culture. Organization Studies, v. 9, n. 3, p. 351-69, 1988.

MINADEO, R. Visão Geral sobre Governança Corporativa e Análises de Situações Empresariais Críticas à Luz de seus Eixos Centrais. Revista Organizações em Contexto, v. 15, n. 29, p. 39-67, 2019.

NASCIMENTO, S. D. Precarização do trabalho feminino: a realidade das mulheres no mundo do trabalho. Revista de Políticas Públicas, n. Esp., p. 339-46, 2016.

NARDI, P. C. C.; NAKAO, S. H. Impacto da entrada nos níveis diferenciados de governança corporativa sobre a imagem institucional das empresas. Revista Contabilidade Vista e Revista, v. 19, n. 2, p. 85-111, 2008.

NUNES, T. S.; TOLFO, S. R.; GARCIA, I. S. Valores Organizacionais Declarados e Praticados na Universidade Federal de Santa Catarina. Administração Pública e Gestão Social, v. 10, n. 2, p. 123-35, 2018.

OLIVEIRA, I. G. S.; CARDOSO, S. P.; DIAS, R. S.; BORGES JUNIOR, P. Influence of Female Boardroom Presence on Firm Value: An Analysis on Companies Listed on B3. Revista de Negócios, v. 23, n. 3, p. 49-57, 2018.

OLIVEIRA, A. R.; GAIO, L. E.; BONACIM, C. A. G. Relações de gênero e ascensão feminina no ambiente organizacional: um ensaio teórico. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, v. 2, n. 1, p. 80-97, 2009.

PAULA, P.; STEFANO, S. R.; ANDRADE, S. M.; ZAMPER, M. A. Clima e cultura organizacional em uma organização pública. Gestão & Regionalidade, v. 27, n. 81, p. 59-73, 2011.

PETTIGREW, A. M. On Studying Organizational Cultures. Administrative Science Quarterly, v. 2, n. 4, 570-81, 1979.

PIRES, J. C. S.; MACEDO, K. B. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 40, n. 1, p. 81-105, 2006.

POUND, J. The promise of the governed corporation. Harvard Business Review on Corporate Governance, From the march-april issue. p. 79-104, 1995.

RINDOVA, V. P.; WILLIAMSON, I. O.; PETKOVA, A. P. Being good or being known: an empirical examination of the dimensions, antecedents, and consequences of organizational reputation. Academy of Management Journal, v. 48, n. 6, p. 1033-49, 2005.

ROBERTS, P. W.; DOWLING, G. R. Corporate reputation and sustained superior financial performance. Strategic Management Journal, v. 23, n. 12, p.1077-93, 2002.

RODRIGUES, M. M. M.; PÉREZ, B. E. Does the institutional environment affect CSR disclosure? The role of governance. Revista de Administração de Empresas, v.56, n.6, p. 641-54, 2016.

SALVAGNI, J.; CANABARRO, J. Mulheres líderes: as desigualdades de gênero, carreira e família nas organizações de trabalho. Revista de Gestão e Secretariado, v. 6, n. 2, p. 88-110, 2015.

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. A survey of corporate governance. Journal of Finance, v. 52, n. 2, p. 737-83, 1997.

SILVA JÚNIOR, R. R. da.; JUNQUEIRA, L. R.; BERTUCCI, L. A. A relação entre a adoção das práticas de governança corporativa e a alavancagem financeira das empresas brasileiras do setor energético no ano de 2008. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, v. 3 n. 6, p. 315-34, 2009.

VASCONCELOS, K. C. A.; MERHI, D. Q.; SILVA JÚNIOR, A.; SILVA, P. O. M. Cultura, liderança e compartilhamento do conhecimento organizacional. Revista de Administração FACES Journal, v. 12, n. 1, p. 13-31, 2013.

XU, X.; LI, Y.; CHANG, M. Female CFOs and loan contracting: financial conservatism or gender discrimination? An empirical test based on collateral clauses. China Journal of Accounting Research, v. 9, n. 2, p. 153-73, 2016.




DOI: https://doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v15n30p159-187

Revista Organizações em Contexto (ROC) - Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA - Faculdade de Administração e Economia - FAE - Universidade Metodista de São Paulo - UMESP.

ISSN Versão Eletrônica 1982-8756

ISSN Versão Impressa 1809-1040 (2005-2008)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.