Prevalência de Anomalias Dentárias por meio de Radiográfias Panorâmicas em Lages- SC

Taila Eduarda Quatrin Nunes, Aléxia Müller Willers, Jáina Suiane da Silva Araujo, Carla Cioato Piardi

Resumo


Objetivo: O objetivo deste estudo foi determinar a prevalência de anomalias dentárias por meio de radiografias panorâmicas no período de 2018 à 2020 em uma cidade do interior de Santa Catarina. Materiais e métodos: Estudo observacional transversal, baseado na coleta de dados em radiografias panorâmicas. As radiografias foram avaliadas por um examinador calibrado para as seguintes anomalias dentárias de desenvolvimento; Número (hiperdontia, hipodontia), tamanho (macrodontia, microdontia), local (transposição, impactação), e forma (fusão, geminação, taurodontismo, dilaceração, dens in dens). Estatísticas descritivas foram realizadas para os dados. Resultados: Um total de 561 radiografias preenchiam os critérios de inclusão, 222 eram do sexo masculino (39,6%) e 339 do sexo feminino (60,4%), com idade média de 30,7 anos (+/-16,5). A frequência de anomalias dentárias do desenvolvimento detectadas foi de 21,2%. A distribuição das anomalias dentárias não teve diferença significativa entre os gêneros. A anomalia mais prevalente foi a impactação, seguida da dilaceração e hipodontia. Não houve incidência de dens in dens, taurodontia, geminação, anquilose e transposição. Conclusão: Anomalias dentarias são comumente observadas no cotidiano clínico. A impactação, dilaceração e hipodontia foram as anomalias mais comuns observadas. É evidente a relevância do diagnóstico dessas anomalias afim de fazer o reconhecimento precoce e evitar possíveis complicações decorrente dessas alterações.


Palavras-chave


Anomalias dentárias. Radiografias panorâmicas. Diagnóstico por imagem.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2176-1000/odonto.v30n58p1-6

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.