Linguagem, conhecimento e verdade nas Confissões de Agostinho

Ana Beatriz Gobbo de Brito Sousa

Resumo


Na obra Confissões, Agostinho de Hipona apresenta um impasse quanto à veracidade de seu conhecimento a respeito de si e de Deus e suas palavras. O autor argumenta que, ao direcionar-se a Deus, sua fala não pode ser indevida, sendo preferível se calar do que falar algo incoerente. Como resposta a este impasse, ele recorre à primazia da interioridade, reconhecendo em Deus a única fonte reveladora de um conhecimento verdadeiro e o mestre interior capaz de guiá-lo a uma linguagem verdadeira.

O presente trabalho busca, a partir das aporias levantadas no início dos livros I e X das Confissões, meditar sobre o caminho percorrido por Agostinho para buscar uma fala que seja verdadeira a respeito de Deus tendo a ciência de que seu conhecimento e sua linguagem são mediados, insuficientes, porém, mesmo assim são necessários. Para tanto, esta pesquisa se apoiou nas contribuições de Madureira (2017), Bermon (2019), Mammi (2000) e suas considerações à obra presentes no prefácio à edição brasileira (2017).


Palavras-chave


Agostinho; Confissões; linguagem; conhecimento; verdade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15603/2175-7747/pf.v9n2p121-129

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.