Imprensa, experiência e formação

Paola Regina Carloni

Resumo


A formação humana ampla que contemple a possibilidade de autonomia e o esclarecimento, uma promessa iluminista, se tornou, na sociedade capitalista, inviabilizada pela lógica do consumo. O surgimento da imprensa, e sua nova forma de comunicação, a informação, acabaram por acirrar a deformação do sujeito e contribui, ainda, para o declínio da capacidade de os indivíduos realizarem experiências. Neste sentido, este trabalho discute a relação entre a imprensa, a perda da capacidade de realizar experiências e sua influência na formação humana. Para isso, recorre-se aos teóricos da Escola de Frankfurt, em especial, Benjamin (2012, 1979), Adorno (2006, 1994) e Horkheimer e Adorno (1985), dentre outros autores, para discutir o processo de empobrecimento das experiências na sociedade contemporânea, a formação e o papel da imprensa nesta relação. No último tópico faz-se uma análise da cobertura feita pela Revista Veja em relação à Copa do Mundo da FIFA realizada no Brasil em junho e julho de 2014. O intuito é perceber empiricamente o papel deformativo da imprensa e sua relação com a ideologia e com o consumo, temas estes discutidos teoricamente ao longo dos dois primeiros tópicos do artigo.

Palavras-chave


imprensa, experiência, formação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v25n63p159-178

ISSN Eletrônico: 2236-9767