O trágico e o poético em Fogo Morto: análise de seus elementos estéticos - DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v25n62p65-78

Omir Wesley Andrade, Bruno Pucci

Resumo


Este texto tem como objetivo estudar, à luz das referências estéticas de Theodor Adorno, o trágico e o poético como elementos fundamentais do romance Fogo Morto (1943), de José Lins do Rego (1901-1957), que se expressam nas ações e nas experiências das três principais personagens do livro: o mestre José Amaro, o Coronel Lula de Holanda e o Capitão Vitorino Carneiro da Cunha. Os acontecimentos se sucedem no engenho Santa Fé, município de Pilar, Estado da Paraíba, desde a sua fundação, no início da segunda metade do século XIX, até a sua decadência, na primeira metade do século XX. O artigo é constituído de três momentos específicos e complementares: o analítico, que expõe o fracasso e o fim trágico das três personagens; o interpretativo, que se propõe a interpelar a narrativa tendo como subsídios teóricos as contribuições estéticas de Theodor Adorno; e o momento das considerações “quase finais”, que continua o momento interpretativo na tentativa de captar o conteúdo de verdade do romance e de sua atualidade como obra de arte.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v25n62p65-78

ISSN Eletrônico: 2236-9767