Nutrição materna e programação fetal: o papel dos hábitos alimentares no desenvolvimento embrionário e pós-natal

Adrianne Christine Palanch, Carolina Bellato de Souza Campos

Resumo


A incidência de doenças cardiovasculares e obesidade estão associada ao aumento da ingestão de alimentos hipercalóricos em decorrência de modificações no padrão alimentar ocorrido nas últimas décadas. A dieta hiperlipídica administrada a gestantes induz, nos descendentes, aumento da pressão sanguínea, resistência à insulina, dislipidemia e obesidade. Estes são sintomas característicos da Síndrome Metabólica que estão sendo descritos cada vez mais em crianças e adolescentes. Neste trabalho foi analisado informações obtidas dos bancos de dados bibliográficos (Scielo, Medline, PubMed) enfocando pesquisas sobre nutrição materna durante a gravidez e lactação e a influência destes fatores nutricionais no desenvolvimento dos conceptos. Para isto, analisamos artigos científicos e livros acadêmicos principalmente dos últimos 10 anos obtidos de revistas nacionais e internacionais, assim como, do Ministério da Saúde do Brasil. As informações obtidas com este trabalho permitirão observar a incidência de alterações metabólicas em parturientes e sua relação com a saúde dos seus descendentes. Dessa forma, será possível sugerir uma relação entre o estado de saúde e a nutrição materna com o desenvolvimento fetal e características fisiológicas no recém-nascido.


Palavras-chave


dieta materna, lactação, programação fetal, desnutrição e obesidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v17n45p49-59

ISSN Eletrônico: 2238-1244