A experiência da Enfermeira durante a assistência a gestante no parto humanizado

Angela Márcia Fossa, Carolina Matteussi Lino, Rosemeire Aparecida Machado Castilho, Maria Cristina Pauli Rocha, Tereza Mitsue Horibe

Resumo


O objetivo foi conhecer e compreender a experiência da enfermeira durante a assistência à gestante no parto humanizado, ou seja, suas crenças, valores, e as questões que restringem ou promovem a presença de acompanhantes neste momento. O estudo foi desenvolvido por meio de entrevistas semiestruturadas, com quatro enfermeiras atuantes em uma maternidade conveniada ao Sistema Único de Saúde do município de Piracicaba. Após a coleta e transcrição dos dados, as entrevistas foram analisadas com base no Discurso do Sujeito Coletivo, ou seja, os depoimentos foram agrupados em ideias centrais e ancoragem, permitindo assim, o conhecimento e o estudo dos discursos individuais e análise de acordo com literaturas referenciadas. Foram identificadas sete ideias centrais relativas às concepções e crenças das enfermeiras e três referentes às dificuldades e facilidades para a presença de acompanhante da escolha da gestante. Através deste estudo, foi possível identificar a defesa e participação ativa das enfermeiras no parto humanizado, orientando as gestantes, apoiando e inserindo o acompanhante e resistindo contra a oposição médica e inadequação do espaço físico. Notou-se que as enfermeiras reconhecem a cesárea como um parto não humanizado, colocam-se de forma mais efetiva, viabilizando e garantindo o direito da entrada do acompanhante, fazendo esta presença cada vez mais constante.


Palavras-chave


Parto humanizado; Cuidados de Enfermagem; Maternidades

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v15n40p25-36

ISSN Eletrônico: 2238-1244