Alterações precoces no padrão eletrocardiográfico em ratos tratados com metandrostenolona

Patrícia Carla Paulino Belotto, Luis Carlos Alves Junior, Carolina Gabriela Reis Barbosa, Mateus Aparecido Stahl, Lucio Ferreira Santos, Carlos Alberto da Silva

Resumo


Jovens fisiculturistas e atletas na intenção de aumentar rapidamente a força muscular ou  melhorar a aparência contribuem para o crescente consumo de agentes anabolizantes, em especial a metandrostenolona, ainda que consenso das múltiplas alterações orgânicas acompanham a utilização deste fármaco. Objetivo: O objetivo deste trabalho foi avaliar a frequência cardíaca, as ondas e segmentos do ECG em ratos tratados com metandrostenolona (10 mg/Kg/semana pela via subcutânea) durante 7 e 15 dias. Métodos. Foram utilizados ratos wistar jovens formando o grupo controle e submetidos ao tratamento durante 7 dias (M7) e 15 dias (M15) contendo 6 animais. Posteriormente, após anestesia com pentobarbital sódico (40 mg/Kg,ip), o ECG foi analisado com o auxílio do eletrocardiógrafo Heart Ware®. Resultados. Foi verificado que o tratamento com M promoveu elevação na frequência cardíaca em intensidade crescente concomitante a progressão do tratamento, houve também modificação no segmento QT nos grupos M7 e M15, além de ser observado neste último grupo a manifestação de inversão de onda U e episódios de extra-sistole isolada. Conclusão: O tratamento com metandrostenolona promoveu alterações eletrocardiográficas precoces indicando que em doses usualmente utilizadas por praticantes de atividade física promove lesão no miocárdio.


Palavras-chave


esteróides anabólicos, eletrocardiografia, ratos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v17n48p59-67

ISSN Eletrônico: 2238-1244