Eletroestimulação para bexiga neurogênica em pacientes com lesão medular: revisão sistemática

Mônica Schmoeller, Karina de Souza Tavares, Erica Feio Carneiro Nunes, Gustavo Fernando Sutter Latorre

Resumo


Introdução: A lesão medular produz sequelas sobre a função urinária, e para estas existem poucas opções terapêuticas, dentre as quais a eletroestimulação vem emergindo como técnica promissora. Objetivo: investigar as possibilidades de tratamento das sequelas sobre a função urinária de pacientes com lesão medular por eletroestimulação. Método: Revisão eletrônica das bases de dados Pubmed, Lilacs e PEDro, buscando ensaios clínicos no período de 1980 a fevereiro de 2019, que trataram a bexiga neurogênica em indivíduos com lesão medular utilizando estimulação elétrica transcutânea ou intravesical. Resultados: Apenas cinco estudos preencheram os critérios de inclusão. Os parâmetros de eletroestimulação variaram enormemente, a boa parte dos estudos não alcançou significância estatística, mas de um modo geral apontaram uma tendência de que o tratamento melhorou os parâmetros urodinâmicos dos lesados medulares. Conclusões: são necessários mais estudos clínicos para o conhecimento dos parâmetros de eletroestimulação e dos efeitos da eletroestimulação sobre as estruturas do sistema urinário de lesados medulares.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v19n51p25-32

ISSN Eletrônico: 2238-1244